Ingredientes SEGUROS

Sabe aquela cultura que nossos avós nos ensinaram de não passar na pele o que a gente não comeria? 

Como a crescente tecnologia de insumos cosméticos, isso não existe mais, o que sempre sugerimos é SEMPRE LER O RÓTULO. Na dúvida, se algum nome é muito complicado, pesquise e na pior das hipóteses: não compre!

Muito do nosso sucesso nesses 16 anos de trabalho, é porque a venda de cosméticos naturais é consequência de todo ensino, conscientização e educação que nos move. Somos movidos por conhecimento, somos movidos pela saúde e bem estar. Nesse material te mostraremos uma lista de ingredientes que não devemos usar.

Nossa preocupação vai muito além de parabenos, que é um ingrediente muito utilizado e presente nos cosméticos convencionais. Nesse post descreveremos mais sobre outros componentes, que para além dos parabenos, devemos EVITAR de todas as formas na nossa rotina de cuidados diários. PASMEM, em locais de maior acesso é mais difícil de encontrar. 

ALUMÍNIO

O QUE É ?

Vamos falar do cloridrato de alumínio, que tem partículas muito pequenas e penetram nas glândulas sudoríparas e as obstruem, fazendo com que o suor não saia. O outro problema do cloridrato de alumínio é que fisiologicamente não temos alumínio em nosso corpo. Por ser formado de partículas muito pequenas, ao penetrar na pele ele se torna um agente estranho, além de ser considerado um metal pesado de difícil eliminação.

COMO IDENTIFICAR NO RÓTULO?

O alumínio pode aparecer no rótulo cosmético simplesmente como "alumínio ou aluminum", mas também como sais de alumínio, cloridrato de alumínio, cloreto de alumínio ou complexos de alumínio-zircônio.

A SOLUÇÃO

Sempre olhar o rótulo, sobretudo dos desodorantes e ver se contém algum tipo de alumínio. Buscar alternativas como os desodorantes da Alva.

BENZYL BENZOATE

O QUE É?

É um conservante que pode causar dermatite de contato, alergias e seu uso é restrito a fragrâncias. Listado como alergênico pela União Europeia. Estaria associado a distúrbios endócrinos e danos no sistema nervoso, principalmente em crianças. 

COMO IDENTIFICAR NO RÓTULO?

Indicado com os nomes Benzyl benzoate, benzoato de benzila, Éster benzílico do ácido benzóico, Éster fenilmetílico do ácido benzóico, Fenil formiato de benzila, Benzoato de fenilmetila, Benylate.

A SOLUÇÃO

Ler o rótulo e optar por formulações livres dos nomes citados acima.

BHT e BHA

O QUE SÃO?

BHT e BHA são um antioxidantes que ocorrem naturalmente em algumas algas e fitoplânctons, porém a forma mais utilizada atualmente é a sintética. Essas substâncias sãos muito empregada em cosméticos, alimentos e medicamentos devido às suas funções de prevenir e/ou retardar a oxidação de ingredientes gordurosos, tais como óleos e manteigas naturais, óleos essenciais e vitaminas, evitando que se tornem rançosos e percam suas funções ativas. Além disso, a degradação dessas gorduras liberam os tão temidos radicais-livres, principais causadores do envelhecimento e de sérias doenças inflamatórias, como problemas cardíacos e até mesmo câncer.

Por possuir uma potente ação antioxidante, o BHT e BHA são normalmente utilizados em bem baixas concentrações nas composições cosméticas em geral, variando em média de 0,01% a 0,1%, concentração considerada segura para utilização em produtos de uso tópico.

COMO IDENTIFICAR NO RÓTULO?

Indicado nos rótulos como BHA, BHT, butylated hydroxyanisole, butylated hydroxytoluene, antioxyne b, antrancine 12, eec n°e320, embanox; nipantiox 1-f, protex, sustane 1-f, tenox BHA, DBPC, advastab 401, agidol, agidol 1, alkofen BP, antioxidant 29, antioxidant 30, antioxidant 4, antioxidant 4K, antioxidant KB e antrancine 8.

A SOLUÇÃO

Ler o rótulo e optar por formulações livres dos nomes citados acima.

CHUMBO

O QUE É?

Um dos piores metais pesados que encontramos em cosméticos convencionais, que é apenas acumulado pelo nosso corpo, e não eliminado. Além disso, ele não tem uma relevância e um papel efetivo nos cosméticos, porém muitos produtos estão contaminados por ele.

O chumbo em cosméticos só é permitido em tinturas progressivas para cabelos em uma concentração máxima de 0,6% de acetato de chumbo. O chumbo é um metal pesado tóxico, cancerígeno, prejudicial ao cérebro e ao sistema nervoso, pode afetar o sistema circulatório, levar ao desenvolvimento de anemia, saturnismo, gerar alterações neurológicas e do sistema reprodutor, além de disfunção renal. 

A REGULAMENTAÇÃO

Desde o dia 27 de março de 2013, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) regulamentou o uso de chumbo em cosméticos por meio da resolução RDC 15/2013 e determinou que o uso de acetato de chumbo só pode ocorrer em tinturas capilares.

De acordo com a Anvisa, nessa concentração de 0,6% de acetato de chumbo, a absorção cutânea é baixa e é pouco provável que ofereça riscos à saúde do usuário.

As tinturas capilares que utilizam o acetato de chumbo (Pb(H3CCOO)2) são as tinturas progressivas, que são compostas de soluções aquosas de sais metálicos. Elas são usadas para escurecer cabelos grisalhos, pois o chumbo combina-se com o enxofre disperso e também com o enxofre das proteínas do cabelo, formando o sulfeto de chumbo, que tem a cor preta.

No entanto, existem algumas limitações para o uso das tinturas progressivas com acetato de chumbo. Mulheres grávidas, por exemplo, não podem usá-las, além de, para as demais pessoas, o seu uso deve ser somente no couro cabeludo, jamais para a coloração de bigodes, sobrancelhas, cílios ou pelos de outras partes do corpo. Além disso, deve-se usar luvas e lavar bem as mãos após o manejo do produto.

Muitos artigos e sites da internet dizem que existem concentrações muito altas de chumbo em batons. Porém, esse metal não é usado nesse tipo de cosmético e ele só aparece na forma de contaminante dos corantes e pigmentos de maquiagens. Além disso, nesses casos, o limite máximo permitido é de 20 ppm (significa 20 partes por milhão).

COMO IDENTIFICAR NO RÓTULO?

Para saber se um produto contém chumbo não espere encontrar informação no rótulo. Um cosmético pode conter chumbo e ele não estar listado de composição, até porque ele não é considerado um ingrediente, e sim um contaminante. Ou seja, os fabricantes não colocam o chumbo intencionalmente no processo de fabricação. 

A SOLUÇÃO

Ler o rótulo e optar por formulações livres dos nomes citados acima.

EDTA

O QUE É?

Ele é um agente quelante, que sequestra íons metálicos, como o cálcio, magnésio, cobre, ferro e manganês, que são encontrados principalmente na água. Ou seja, o EDTA remove os metais pesados que estão presentes no meio, reduzindo a reatividade desses metais com os demais componentes de uma formulação cosmética, farmacêutica ou alimentícia.

Por remover os metais pesados da fórmula dos cosméticos, o EDTA previne várias reações químicas indesejadas entre as substâncias. O EDTA evita a alteração do cheiro, mudança de cor, degradação de insumos naturais como óleos e extratos vegetais, inativação de substâncias ativas como filtro solares, conservantes e fármacos.

O EDTA não é considerado um composto tóxico e/ou irritante e sua concentração de uso em produtos cosméticos é muito baixa (de 0,01% a 0,1%), o que o torna um ingrediente bastante seguro para a saúde.​

Um estudo conduzido pelo International Journal of Toxicology avaliou que, embora a molécula de EDTA não consiga permear a pele humana, essa substância pode ser capaz de aumentar a penetração de outros compostos pela epiderme, através da quelação do cálcio e sua consequente ação sobre os fatores de crescimento epidermais (EGF - Epidermal Growth Factor), peptídeos responsáveis pela comunicação celular, sem, no entanto, romper ou desestabilizar a barreira natural de proteção da pele, como alguns sites veiculam.

Ou seja, a toxicidade, de fato, não é atribuída ao EDTA em si, mas à outras substâncias que podem ter sua absorção aumentada por estarem presentes na mesma composição onde se encontra o EDTA, como por exemplo em um produto que contenha Benzoato de Benzila (INCI: Benzyl Benzoate), composto naturalmente presente em alguns óleos essenciais vegetais, mas de potencial tóxico, já que pode desencadear alergias e alterações hormonais, uma vez que é considerado um disruptor endócrino.

Em muitos lugares (no Brasil mesmo) a água é considerada dura, ou seja, rica em íons de cálcio e magnésio, que se combinadas às moléculas dos sabonetes e shampoos podem acabar causando a perda das funções desses produtos.

Ou seja, o EDTA ajuda a melhorar a estabilidade dos produtos, fazendo com que durem mais, já que normalmente demoramos um tempo considerável até usar um produto inteiro.

 

COMO IDENTIFICAR NO RÓTULO?

Existem variadas formas químicas dentro da categoria dos EDTAs, mas as duas mais amplamente utilizadas são as formas Dissódica e Tetrassódica (INCI: Disodium EDTA e Tetrasodium EDTA). 

A SOLUÇÃO

Não consumir os EDTAs em fórmulas que contenham, sobretudo, disruptores endócrinos, uma vez que o EDTA pode aumentar a absorção dele.

FLÚOR

O QUE É?

Desde 2006 foram publicados mais de 180 artigos científicos sobre os efeitos maléficos do flúor na saúde humana. O flúor atúa na desmineralização óssea e na desmineralização dos dentes. Além de malefícios para a tireóide e na diminuição do QI a longo prazo.

Com flúor ou sem flúor? Esse é um assunto que gera muita polêmica. Alguns estudos dizem que pode fazer mal, outros dizem que o flúor é importante para a saúde bucal. Nós acreditamos que essa é uma decisão pessoal. Nossos cremes dentais são sem flúor, para que você possa usar outros produtos com flúor se quiser. CONSULTE SEMPRE SEU DENTISTA PARA SABER QUAL É O MELHOR PARA VOCÊ E PARA A SUA SAÚDE.*

COMO IDENTIFICAR NO RÓTULO

Comumente identificado como Fluoreto de sódio (NaF), ou então por "pasta de dente fluoretada"

A SOLUÇÃO

Substituir o flúor pelo xilitol, que auxilia no controle das cáries.

FORMOL

O QUE É?

O formol é considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) uma substância cancerígena para humanos, enquadrando-se no grupo 1, ou seja, com fortes evidências de carcinogênese em humanos e em animais.

A legislação sanitária permite que os produtos cosméticos capilares contenham uma concentração de apenas 0,2% de formol como conservante, durante o processo de fabricação. Qualquer adição de formol em produtos já prontos não é permitida, acarretando riscos à saúde da população e constituindo-se em infração sanitária nos termos da Lei nº 6.437, de 20 de agosto de 1977. Usado comumente em processos de alisamento capilar. Para atingir o efeito alisante, o formol deveria ser empregado em concentrações maiores, o que é totalmente vetado. Ademais, a aplicação do formol conjugada ao uso de recursos térmicos promove a evaporação do produto, provocando irritações cutâneas, oculares e respiratórias.

COMO IDENTIFICAR NO RÓTULO?

O formol pode ter quase 20 nomes derivados, a exemplo de dormaldeído, formalina, metil aldeído, metileno glicol, oxido de metileno, metanal, formalida 40, morbicida, BFV, formalite, aldeído fórmico, Yde, Ivalon, Karsan, Lysoform, Oxometano e Oximetileno.

A SOLUÇÃO

Ler o rótulo e optar por formulações livres dos nomes citados acima.

PABA

O QUE É?

Esse componente tem como função filtrar a radiação ultravioleta. A paba também é conhecida como aminobenzoic acid ou ácido aminobenzóico, e está na lista de ingredientes restritos do governo canadense. Segundo o EWG pode ser absorvida pela pele e pode pode gerar radicais livres, danificando o DNA das células, ou seja, aumentando os riscos de câncer. 

Alto índice de alergia. Hoje em dia, os protetores solares já vem com o alerta “sem PABA /PABA free” no rótulo.

COMO IDENTIFICAR NO RÓTULO?

Indicado com os nomes Ethylhexyl Dimethyl PABA, 2-Ethylhexyl 4-(dimethylamino)benzoate, Padimate Octyl dimethyl p-aminobenzoate, Octyl dimethyl PABA 2-Ethylhexyl p-(dimethylamino)benzoate, OD-PABA.

A SOLUÇÃO

O mais seguro é comprar protetores solares / bloqueadores UV que coloquem no rótulo a indicação “sem PABA”.

PARABENOS

O QUE SÃO?

Esses você conhece! Muito utilizados pela indústria farmacêutica, alimentícia e COSMÉTICA, podendo variar de nome, sendo eles Metil, Butil, Propil, Etil, Isobutil, Isopropil e são facilmente vistos nos rótulos do produto. Esse componente pode causar distúrbios no comportamento hormonal, aumentar as chances de câncer de mama e diversas alergias cutâneas.

COMO IDENTIFICAR NO RÓTULO?

Indicado com os nomes Metilparabeno, butilparabeno, propilparabeno, etilparabeno, isopropilparabeno.

A SOLUÇÃO

Comprar em empresas que se comprometam a vender cosméticos SEM PARABENOS. Ler os rótulos sempre, pois são facilmente identificáveis.

PEGs

O QUE SÃO?

Os polietilenoglicóis (PEG) e os polipropilenoglicóis (PPG) são humectantes, que ajudam a reter ou a conservar a humidade, ou a emulsificar produtos cosméticos.

Também são usados em cosméticos como agentes espessantes e solventes. Geralmente os PEGs vêm acompanhados de números: PEG-100, PEG-7, PEG-8 (dentre centenas de outros) e esses números indicam o peso molecular aproximado do composto. Quanto menor for esse peso molecular, mais facilmente ele poderá penetrar na pele (e claro que isso depende da condição em que se encontra a mesma).

COMO IDENTIFICAR NO RÓTULO?

É fácil, sempre começam por PEG- ou PPG-.

A SOLUÇÃO

Ler o rótulo e optar por formulações livres de PEGs.

PROPYLENE GLYCOL

O O QUE É?

É um umectante e controlador de viscosidade, que também exerce algumas outras funções. Ele pode ser usado como fixador de perfumes, veículo de alguns ingredientes em medicamentos tópicos e também hidratante umectante em cosméticos diversos. Também é capaz de penetrar a pele humana, facilitando a absorção de outros ingredientes pelo corpo, já que tem um tamanho molecular pequeno e alto poder solubilizante.

Está relacionado a possíveis alergias, dermatites de contato, além de intensificar a penetração de outros ingredientes na pele. Pode ser danoso para o sistema reprodutivo.

COMO IDENTIFICAR NO RÓTULO?

Indicado com os nomes propilenoglicol, propylene glycol, dipropilenoglicol (DPG).

A SOLUÇÃO

Ler o rótulo! Existem matérias primas de origem natural e segura que substituem o propylene glycol com maestria, como o propanediol (derivado natural extraído do milho).

ÓLEO MINERAL

O QUE É?

Pode tapar os poros, não possui qualquer valor nutritivo, pode levar a envelhecimento da pele, intervindo também nos mecanismos de hidratação natural da mesma. 

Usado principalmente no creme de troca de fraldas pela alta capacidade formadora de filme e protetora. Porém, pode entupir os poros da pele delicada do bebê e causar as bolinhas vermelhas encontradas no momento da troca de fraldas. Na pele do rosto é ainda pior, causando, sobretudo, acne.

COMO IDENTIFICAR NO RÓTULO?

Indicado com os nomes Paraffinum Liquidum, Liquid Paraffin, Mineral Oil, Petrolatum, Paraffin Oil, Deobase.

A SOLUÇÃO

Optar sempre por trocas inteligentes, como produtos que combinam óleos e manteigas vegetais e consigam alcançar a mesma textura e não solubilidade do óleo mineral. No creme de fraldas, podem estar combinados com o zinco.

SODIUM LAURYL SULFATE

O QUE É?

É o agente de limpeza mais usado, sendo encontrado em shampoos, detergentes, sabonetes, entre outros. É um ingrediente que pode causar irritação e ressecamento da pele e dos cabelos. Também é considerado comedogênico. De acordo com o Journal of the American College of Toxicology, o SLS pode desnaturar as proteínas da pele e ser absorvido pela mesma. Além disso, é altamente contaminante para ambientes aquáticos e não é biodegradável.

Ele pode ser encontrado em muitos produtos de limpeza e em diversos cosméticos, tais quais: sais de banho, cremes para tratamento de acne, produtos esfoliantes, máscaras para cílios, tinturas de cabelo, sabonetes líquidos, condicionadores, produtos para limpeza facial, removedores de maquiagem, e principalmente, em xampus de adultos e de crianças, em sabonetes líquidos para o corpo e em pastas de dente.

COMO IDENTIFICAR NO RÓTULO?

O lauril sulfato de sódio pode ser encontrado com os seguintes nomes nos rótulos: lauril éter sulfato de sódio, lauril éter sulfonato de sódio, sodium lauryl sulfate, sodium lauryl ether sulfate, sodium laureth sulfate, sodium dodecyl polyoxyethylene sulfate, sodium lauryl ethoxysulfate, sodium polyoxyethylene klauryl sulfate, monododecyl ester sodium salt sulfuric acid, sodium dodecyl sulfate, sodium lauryl sulfate, sodium salt sulfuric acid, sulfuric acid monododecyl ester sodium salt, sulfuric acid, sodium salt, akyposal sds, aquarex me e aquarex methyl.

A SOLUÇÃO

Ler o rótulo e optar por formulações livres dos nomes citados acima, e achar substituições inteligentes como o Sodium Cocoyl Isethionate, derivado do óleo de coco.

Carrinho de compras

Não há mais produtos disponíveis para compra

Seu carrinho está vazio.